Drave, a aldeia mágica

A aldeia de Drave é uma povoação perdida na Serra da Freita, em pleno Geoparque de Arouca, constituída por um pequeno aglomerado de casas de xisto construídas em patamares ao longo da encosta, fazendo com que quase se assemelhe a uma “Machu Picchu” portuguesa.

O misticismo da aldeia começa no seu difícil acesso. É apenas possível alcançar a povoação fazendo um percurso a pé que começa na aldeia de Regoufe e que atravessa a serra, onde grande parte do caminho é em subida, o que em dias de maior calor pode se tornar um problema, pelo que é fundamental levar sempre uma garrafa de água na mochila.

À medida que nos afastamos de Regoufe, por entre as casas dos habitantes, galinheiros e campos agrícolas, vamos perdendo a rede do telemóvel e é aí que a verdadeira aventura começa. Depois de escalarmos os montes e de caminhar pelo trilho serpenteado, Drave começa a aparecer ao longe e começamos a ficar cada vez mais ansiosos por lá chegar.

Na aldeia não faltam pequenas lagoas, pontes e casas abandonadas para explorar. Havendo espaço também para bons piqueniques em família e relaxar na sombra das árvores. Quando não estamos em períodos de seca, as cascatas também decidem aparecer para melhorar o cenário já incrível.

O último habitante de Drave abandonou a aldeia no ano 2000 e hoje é gerida em grande parte pelo Corpo Nacional de Escutas, que lá criou uma base e está a ajudar a trazer de volta alguma vida às pequenas casas de xisto.

Durante o verão, devemos ter em consideração que a zona é fustigada todos os anos por vagas de incêndio. Em 2016, quando visitei a aldeia, a beleza do percurso estava castigada por áreas reduzidas a cinza e inclusivamente, começou um pequeno incêndio que foi prontamente apagado por um grupo de escuteiros.

Alcançar Drave é uma excelente alternativa aos concorridos Passadiços do Paiva, com o bónus de que podemos explorar a aldeia mágica no final do percurso. Mas vamos manter o segredo, combinado?

Publicado por Nuno Lopes

Apaixonado pelo mundo e dromomaníaco assumido, o Nuno é o fundador do Instruções para Viajar. Considera que a melhor parte da viagem é a aventura, é perder-se em caminhos complicados, são as estratégias de última hora para contornar voos cancelados e a arte de conversar por meio de mímica ou sotaques improvisados. Adora o misticismo da cultura árabe, o ambiente dos países exóticos, a comida italiana e o sol da Grécia. Os seus destinos de sonho passam pela Índia, Indonésia e Ilhas Maurícias. Quando não está a planear a próxima viagem, é técnico de radiologia no grupo Trofa Saúde Hospital onde a paixão por fotografar o corpo humano se transpõe para as paisagens, monumentos e para as selfies nas suas aventuras pelo globo. - nuno@instrucoesparaviajar.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.